Porto Alegre,
 
        
 
       
Artigos
Assembleia Legislativa
CANOAS
Famurs
FECOMÉRCIO
Governo do Estado
GRAVATAÍ
OAB
SIMERS
SISTEMA OCERGS/SESCOOP
VENÂNCIO AIRES
 



 
  
 
 
21/09/2021

Neste  20 de Setembro, Dia do Gaúcho, o centenário Palácio Piratini foi palco do lançamento da obra “A Matriz da Cultura Negra no Gauchismo”. O evento contou com participação do governador Eduardo Leite e da secretária da Cultura, Beatriz Araujo, e recepção da declamadora Liliana Cardoso, organizadora da obra e primeira mulher negra homenageada como patrona dos Festejos Farroupilhas.

A obra apresenta uma coletânea de artigos assinados por estudiosos, pesquisadores e artistas que investigaram a participação do negro na construção da identidade regional gaúcha.

“Este centenário Palácio Piratini tem a referência ao negro nos murais pintados por Aldo Locatelli, levando uma visão sobre o negro a partir do Negrinho do Pastoreio, uma das lendas de Simões Lopes Neto sobre um pequeno menino negro escravo. Mas ela não traduz a participação do negro na nossa história, a interferência vai muito além disso. Por isso, fizemos questão de, nesta Semana Farroupilha que tem uma mulher negra como patrona pela primeira vez, pudéssemos colocar ainda mais em destaque a nossa identidade a partir do que o povo negro nos proporcionou no RS”, afirmou o governador.
Leite ainda lembrou que, desde a semana passada, o Negrinho do Pastoreio sedia a exposição fotográfica "Gaúcho", do fotógrafo Fábio Mariot, que faz um recorte étnico do trabalhador do campo e do ginete, apresentando um gaúcho diferente do imaginário social. Homens negros, de diferentes regiões do Estado, fotografados em sua lida diária, em galpões de fazendas.

“Agora, este livro nos dá o privilégio de no simbólico palácio do governo, que é o espaço onde a gente espera mais do que decisões do governo, que emane para toda a nossa sociedade os desejos da sociedade. E o que a gente quer é a valorização da nossa cultura, dos nossos povos, das nossas diferenças e das diferentes visões, por isso, este lançamento é tão importante”, acrescentou o governador.

Segundo Liliana, existe no RS uma carência de materiais que explicitem a participação e protagonismo do povo negro na construção da identidade regional – “A Matriz da Cultura Negra no Gauchismo” faz esse resgate.

“Normalmente, tem-se em perspectiva a Revolução Farroupilha e o episódio do Massacre dos Porongos, quando uma quantidade expressiva de negros foi colocada em linha de frente e massacrada. Porém, a participação do negro no gauchismo é bastante ampla e se estende em todas as áreas que abarcam hoje o tradicionalismo e o nativismo: dança, canto, declamação e atividades campeiras”, afirmou Liliana.

Ao ser homenageada como patrona dos Festejos Farroupilhas 2021, a declamadora optou por tornar essa gestão um espaço propositivo para a discussão desse tema, que ela considera urgente e central. É a primeira mulher negra homenageada e ela congrega três movimentos: do negro, da mulher e do tradicionalismo.
“É um momento muito especial e importante, no qual esta luta de tantas pessoas pela igualdade, pelo reconhecimento do povo negro no RS se vê contemplada por uma ação que parte da sociedade, que tem o aval do governo e o entusiasmo dos meus colaboradores da Secretaria da Cultura. Espero que esta obra toque o coração de muitas pessoas e ecoe na nossa sociedade”, afirmou a secretária da Cultura, Beatriz Araujo.

Temas e respectivos autores:
• Prefácio / Ernesto Fagundes
• Apresentação / Liliana Cardoso
• O negro na história e na construção do gauchismo / Luiz Cláudio Knierim
• A formação da sociedade gaúcha e a participação do negro / Paulo RS Gonçalves
• A presença do negro na literatura rio-grandense: os Contos Gauchescos / Vera Haas
• As tradições gaúchas no compasso da matriz africana do Maçambique / Iosvaldir Carvalho Bittencourt Junior
• Oliveira Silveira: o afro-gaúcho / Sátira Pereira Machado e Naiara Rodrigues Silveira Lacerda
• A boneca Abayomi – um símbolo de resistência da cultura afro-brasileira no RS / Graciele Lopes Ribeiro
• Corpo negro em movimento: a ancestralidade no contexto da dança tradicionalista / Robson Cavalheiro
• O enlace entre a cultura negra e o tradicionalismo / Movimento Negro Raízes
• Cavalgada para consciência dos Lanceiros Negros Contemporâneos: a trajetória de um trajeto / Giovanni Mesquita
• Negro Forte Laçador: resistir é pegar um touro à unha todos os dias / Lise Ferreira
• Pioneirismo e trajetória de uma cantora negra no gauchismo / Loma Pereira
• Vozes da negritude na poesia gaúcha / José Luiz Rodrigues dos Santos
• A resistência negra no Acampamento Farroupilha / Giovanni Mesquita e Cláudio Knierim
• Prendas, cirandas e negritude: histórias contadas, dores veladas, silêncios construídos / Tainá Severo Valenzuela
• Reminiscências de um laço eterno: amor de irmãs, tradicionalismo e um legado / Maira Simões Rodrigues e Jianine Simões Rodrigues Pichite
• Ausência do negro rio-grandense nas bibliografias dos concursos de prenda / Karina da Silva
• Alguns expoentes da negritude na cultura tradicionalista e nativista / Carlos Omar Vilella Gomes
• A história do poema Quilombo do Morro Alto / Carlos Omar Villela Gomes
• Tradicionalidade ou exclusão? / Aline Martins Linhares
• A matriz da cultura negra no gauchismo – práticas pedagógicas em sala de aula / Ana Paula Homem
• Posfácio / Joaquim Moncks


 
Institucional | Anuncie Aqui | Edições Anteriores | Assine