Porto Alegre,
 
        
 
       
Artigos
Assembleia Legislativa
CANOAS
Famurs
FECOMÉRCIO
Governo do Estado
GRAVATAÍ
OAB
SIMERS
SISTEMA OCERGS/SESCOOP
VENÂNCIO AIRES
 



 
  
 
 
09/07/2020

Nesse  período de isolamento domiciliar, atender às recomendações de prática de atividades físicas tem sido um desafio. Neste sentido, visando aumentar o nível de atividade física, crianças e adolescentes podem praticar atividades físicas em casa de forma lúdica brincando de bambolê, cabra cega, amarelinha, pular corda, caminhar sobre corda no chão e cabo de guerra, entre outras. As ideias de atividades incluem jogos tradicionais de recreio em ambientes fechados (esconder e procurar, marcar, pular) e criatividade (construir uma pista de obstáculos, jogar vôlei de balão ou aprender a fazer malabarismos).

"Sabemos que a casa tem espaços menores e mais limitados do que a rua, mas a criatividade é fundamental nessas horas. É preciso colocar para fora a ansiedade e angústia por estarmos confinados. Vários aplicativos foram lançados com atividades lúdicas para crianças e podem ser aliados. Um circuito pode ser feito dentro de casa ou estimulados jogos que impliquem em série de movimentos”, afirma o médico pediatra e associado da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), José Paulo Ferreira,

Assim como para os adultos, a disciplina agora vai ajudar também no cenário pós-pandemia. A ideia é que as crianças depois não saiam de forma tão intensa para atividades estando totalmente despreparadas.

"O que é interessante lembrar é que a atividade física para criança ou adolescência é uma forma de prevenção de uma série de doenças relacionadas a obesidade, diabetes e pressão alta. Atividade física e alimentação adequada favorecem muito. Estamos em pleno momento de uma pandemia e todos estão dentro de casa, mais angustiados e nervosos. O que acaba acontecendo é ficarmos mais sedentários e comendo um pouco mais. Neste momento é importante se cuidar para evitar esse ganho de peso e, sobretudo, trabalhar a saúde mental, uma vez que para as crianças, assim como para os adultos, o esporte ajuda no combate ao stress e ansiedade.

Segundo documento publicado pela Sociedade Brasileira de Pediatria Idealmente, as crianças e adolescentes deveriam acumular 60 minutos de atividade física de intensidade moderada a vigorosa por dia, incluindo modalidades que estimulem ossos, músculos, mobilidade articular e exercícios envolvidos no desenvolvimento motor e de habilidades como equilíbrio e coordenação.

Texto: Marcelo Matusiak/Foto: Freepik

 
Institucional | Anuncie Aqui | Edições Anteriores | Assine